terça-feira, 14 de junho de 2011

Elegia a Antônio IV

"Ninguém precisa de nós", li num poema
isto me fez recordar nossas discussões
quando depreciávamos o velho
e exaltávamos o novo.

Pois é
que ironia, Antônio
hoje sou criticado.

Os expoentes de nossa geração
a exemplo dos de Ginsberg
caíram um a um
bêbados, loucos, esquecidos...

O mundo girou rápido
enquanto meu olhar enrugava.

Flávio Soares

5 comentários:

Nina Pilar disse...

Vim dizer obrigada ao meu blog, e conhecer o teu, tbem gostei do teu blog, e vou seguir-te.
o mundo gira rápido, as informações mudam todos os dias...
mas, é no velho que olhamos o novo!

beijinhos querido

uma super semana pra ti

Thiago Almeida disse...

Muito bom!

Davi disse...

Bem, é com grande apego às minhas próprias emoções que digo: foi bom encontrar poesia de verdade em teu blog.

sigo-o e dou uns parabéns saudosos!

Espaço do haicai disse...

Obrigada pela visita, Flávio. Se quiser, envie seu e-mail para monicamartinezhaicai@gmail.com que avisarei as próximas postagens.

Um abraço,

Monica

Sinho Livre disse...

GENTE!GENTE! É URGENTE!!!!
obrigado pelo espaço.
coincidência...tenho uma crônica poética tão parecida....mas é isso mesmo..."ninguém precisa de nós..se não nós mesmos".
Como prometi na comunidade..estou seguindo o seu blog...siga-me também...http://desenhospoeisiascomportamento.blogspot.com/
caso queria me seguir no twitter>> http://twitter.com/#!/nilsinho75