terça-feira, 19 de agosto de 2008

Um momento

Rolávamos na cama
como dois animais
furiosos numa luta
nos mordíamos ferozmente
e sem que nenhum dos dois
se rendesse
desmaiamos
ambos derrotados, triunfantes.

Naquele momento
estávamos felizes para sempre.

Flávio Soares

2 comentários:

Jorge de Barros disse...

Cara! Tua poesia evoluiu muito!
Continue, o céu é olimite!

Flantuares disse...

Pois é Jorge, ninguém melhor do que você pra saber que é impossível parar nos primeiros versos.
Obrigado!