segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Lima Barreto, o sucessor de Machado de Assis


Foto: reprodução


Lima Barreto é, na opinião de muitos especialistas em literatura, um dos maiores escritores brasileiros. Pobre e mestiço, o autor de Triste fim de Policarpo Quaresma sofreu preconceito sua existência toda. Em meio a tantas adversidades, ele escreveu, com uma literariedade inquestionável, obras que relatavam as injustiças sociais. Alguns críticos de seu tempo o consideravam o sucessor de Machado de Assis. 


Abaixo, alguns trechos de seu livro Triste fim de Policarpo Quaresma, que é tido como uma obra-prima da literatura brasileira:


“Em vários tempos e lugares, a loucura foi considerada sagrada, e deve haver razão nisso no sentimento que se apodera de nós quando, ao vermos um louco desarrazoar, pensamos logo que já não é ele quem fala, é alguém, alguém que vê por ele, interpreta as coisas por ele, está atrás dele, invisível!…”;


"Ninguém compreende o que quero, ninguém deseja penetrar e sentir; passo por doido, tolo, maníaco e a vida se vai fazendo inexoravelmente com a sua brutalidade e fealdade."


- "
Não é só a morte que iguala a gente. O crime, a doença e a loucura também acabam com as diferenças que a gente inventa."


- "Esta vida é absurda e ilógica; eu já tenho medo de viver..."


Além desse livro, Lima Barreto também escreveu Os Bruzundangas e Recordações do escrivão Isaías Caminha, recomendáveis que se leia. 

Flávio Antunes Soares 


Um comentário:

Antonio Lopes disse...

Oi,
gostei do blog. Concordo. Lima Barreto é um cronista da cidade do Rio,um visionário,com uma enorme consciência política..Realmente deveria ser mais lido..